sexta-feira, 17 de novembro de 2017

V Seminário Segregação e Crescimento Urbano na RMM começa no dia 27


O Núcleo Maringá do INCT Observatório das Metrópoles promove, nos dias 27, 29 e 30 de novembro, V Seminário Segregação e Crescimento Urbano na Região Metropolitana de Maringá. O evento contará também com oficina sobre a temática dos regimes urbanos; e o lançamento do Fórum Metropolitano pelo Direito à Cidade.
O V Seminário Segregação e Crescimento Urbano na Região Metropolitana de Maringá consolida uma temática do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UEM ancorada no Observatório das Metrópoles — Núcleo UEM/Maringá, envolvendo alunos dos cursos de graduação e de pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Ciências Sociais, Estatística, Direito, Serviço Social, Engenharia Civil, Geografia e Administração.
O Seminário marca, ainda, o início das atividades do novo programa INCT Observatório das Metrópoles, intitulado “As Metrópoles e o Direito à Cidade: conhecimento, inovação e ação para o desenvolvimento urbano”, que será desenvolvido nos 15 núcleos regionais do Observatório, sendo em Maringá composto por 35 pesquisadores, que desenvolverão as atividades de pesquisa e intervenção organizadas em quatro linhas de pesquisa:
I. Metropolização e o desenvolvimento urbano: dinâmicas, escalas e estratégias.
II. Direito à Cidade, regimes urbanos e a financeirização-mercantilização da cidade.
III. Direito à Cidade, Cidadania e Governança Urbana.
IV. Estratégias Metropolitanas para o Direito à cidade e o Desenvolvimento Urbano.
 Também haverá o lançamento do Fórum Metropolitano pelo Direito à Cidade, que surge a partir da experiência do Fórum Maringaense, com o objetivo de articular o debate sobre a governabilidade metropolitana.
INSCRIÇÕES: As inscrições estão abertas e encerram no dia 26 de novembro. Para fazer sua inscrição basta acessar o link: https://goo.gl/forms/xgoVJOP76oeqT8Il1

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

III Audiência sobre População em Situação de Rua de Maringá


O Observatório das Metrópoles Núcleo UEM/Maringá e a Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania (SASC) realizam hoje (18 de outubro de 2017),às 19h, no auditório Hélio Moreira no Paço Municipal de Maringá, a III Audiência Pública sobre a População em Situação de Rua. 
Confira entrevista sobre o evento:



Observatório, SASC e MPR mobilizam pessoas em situação de rua para III Audiência Pública

As pessoas em situação de rua em Maringá estão sendo convidadas a participar da III Audiência Pública sobre a População em Situação de Rua, que ocorre nesta quarta-feira (18), às 19h, no auditório Hélio Moreira no Paço Municipal de Maringá. A mobilização está sendo realizada desde o início da semana por representantes do Observatório das Metrópoles Núcleo UEM/Maringá, Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania (SASC) e Movimento Nacional e Estadual da População em Situação de Rua (MPR).
Equipe do OBS, SASC e MNPR na noite desta terça (17) distribuiu convites na Praça Napoleão Moreira da Silva

O objetivo do evento de hoje é constituir o Grupo de Trabalho que implantará o Comitê Intersetorial e a Política Municipal para a População em Situação de Rua. Para subsidiar tal ação, na ocasião serão apresentados os resultados referentes a 2015, 2016 e 2017 da pesquisa “Pessoa em Situação de Rua de Maringá: Descontruindo a Invisibilidade”.
Segundo a coordenadora do Observatório das Metrópoles Núcleo UEM/Maringá, Ana Lúcia Rodrigues, a participação das pessoas em situação de rua na audiência é essencial para participação direta dos envolvidos na construção da política municipal. “Assim os dados levantados por meio da pesquisa, divulgação e análise na audiência pública, se consolidam efetivamente como subsídios para ação de todos os representantes de órgãos públicos, entidades e instituições que participarão direta ou indiretamente do Comitê, visando a construção da política pública municipal, a partir das reais condições e necessidades do público destinatário, bem como o envolvimento e participação direta destas pessoas que se encontram nesta situação, visando acima de tudo a dignidade da pessoa humana”, afirma.
Durante III Audiência Pública sobre a População em Situação de Rua outras atividades serão realizadas também com o propósito de subsidiar a constituição do Comitê, como a apresentação pelo Executivo municipal das ações em curso destinadas à população em situação de rua – no âmbito das políticas de assistência social e de saúde -, além de uma discussão mediada por representantes de entidades estaduais de moradores de rua.
O evento é aberto ao público, especialmente aos atores da sociedade que lidam com essas pessoas.

Comitê - A proposta de constituir o Comitê Intersetorial - Grupo de Trabalho para a construção de uma Política Municipal para a População em Situação de Rua atende o disposto no Decreto Federal nº 7.053 de 2009, que institui a Política Nacional para População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Observatório das Metrópoles e SASC promovem a III Audiência sobre População em Situação de Rua

O Observatório das Metrópoles Núcleo UEM/Maringá e a Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania (SASC) realizam no dia 18 de outubro de 2017, no auditório Hélio Moreira no Paço Municipal de Maringá, a III Audiência Pública sobre a População em Situação de Rua. O principal objetivo da Audiência é constituir o Grupo de Trabalho que implantará o Comitê Intersetorial e a Política Municipal para a População em Situação de Rua. Na ocasião serão apresentados os resultados referentes a 2015, 2016 e 2017 da pesquisa “A População em Situação de Rua em Maringá: Descontruindo a Invisibilidade”, realizada pelo Observatório das Metrópoles.
Durante o evento outras atividades serão realizadas também com o propósito de subsidiar a constituição do Comitê, como a apresentação pelo Executivo municipal das ações em curso destinadas à população em situação de rua – no âmbito das políticas de assistência social e de saúde -, além de uma discussão mediada por representantes de entidades estaduais de moradores de rua. O evento começará às 19h e é aberto ao público, especialmente aos atores da sociedade que lidam com essas pessoas.
Imagem retirada de matéria produzida e veiculada pela TV Tibagi sobre a pesquisa, para assistir acesse o link abaixo

Comitê - A proposta de constituir o Comitê Intersetorial - Grupo de Trabalho para a construção de uma Política Municipal para a População em Situação de Rua atende o disposto no Decreto Federal nº 7.053 de 2009, que institui a Política Nacional para População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento.


sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Observatório das Metrópoles inicia programação do Trilhas Urbanas na segunda

O Observatório das Metrópoles Núcleo UEM/Maringá inicia no dia 9 de outubro mais uma etapa do projeto Trilhas Urbanas. A primeira atividade será realizada em dois locais distintos, com visita ao Parque Industrial 3 e em seguida ao Distrito de Floriano, ambos localizados em Maringá/PR. O objetivo da ação é realizar aulas abertas sobre o Direito à Cidade e, a partir do trajeto vivenciado, propiciar a divulgação de informações e o fomento ao debate sobre os percalços do desenvolvimento urbano de Maringá e região.
O Parque Industrial 3 foi o primeiro local escolhido para dar início ao projeto Trilhas Urbanas em 19 de março de 2015 e depois foi incluído em outros momentos. Esse enigmático local reabre as atividades nesta próxima segunda-feira e a escolha se justifica pelo fato do empreendimento ter sido viabilizado com vultosos recursos do município - provenientes do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e do ISS (Imposto Sobre Serviço de qualquer natureza), mais de R$ 130 milhões investidos na implantação do conjunto de infraestrutura que hoje compõe o Parque Industrial 3. Após anos de instalação e uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) realizada pela Câmara de Maringá – que em quase nada resultou - o local ainda continua desocupado. Parte da estrutura elétrica já foi alvo de furtos e a situação de não ocupação e abandono, deixa aquele pedaço de cidade perdido na zona rural e ainda suscetível ao desgaste do tempo.

Imagem do Parque Industrial 3/Acervo Observatório das Metrópoles

Em todos os aspectos o empreendimento está em total descumprimento com a função social da cidade. O Parque Industrial 3 foi uma ação do Executivo cujo lançamento foi feito pelo então prefeito Silvio Barros em julho de 2012. A Prefeitura desapropriou vários sítios de forma amigável ou não, perfazendo mais de 100 alqueires na Estrada Pinguim, sendo o terreno alvo de desapropriação, o que levou as famílias historicamente ali residentes, a se mudarem do lugar onde viveram uma vida inteira.
O segundo percurso será nos conjuntos do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) no distrito de Floriano. Na perspectiva da Sociologia Urbana o local se destaca, pois reproduz o processo de segregação social que caracteriza a dinâmica de formação de Maringá. A população de baixa renda é constantemente retirada das áreas mais próximas aos centros urbanizados e removida para casas distantes dos principais equipamentos públicos de saúde, educação, mobilidade, eixos de comércio de serviços, etc.
Essas e outras questões serão abordadas durante o trajeto do Trilhas Urbanas. O evento é gratuito e aberto ao público. O local de saída será em frente a agência da Caixa Econômica Federal (CEF), instalada dentro do Câmpus Sede da UEM, às 13h30. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (44) 30114287.
ATENÇÃO – Se estiver chovendo a atividade será cancelada.


quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Observatório das Metrópoles inicia nova turma na UNATI/UEM

O projeto A Cidade Para a Terceira Idade do Observatório das Metrópoles Maringá/UEM inicia nova turma na Universidade Aberta à Terceira Idade (UNATI) da Universidade Estadual de Maringá (UEM). A proposta, estruturada como disciplina de ensino, tem foco no acesso dos cidadãos da terceira idade à cidade, relacionando as políticas públicas sociais e urbanas à esta realidade. As aulas estão sendo ministradas desde o dia 28 de agosto. A proposta para esse ano é dar continuidade ao programa estabelecido em 2016, sob uma nova perspectiva.
O jogo foi elaborado para estimular o debate e a reflexão crítica a respeito do modo de produção do espaço nos municípios brasileiros

Nesta última segunda-feira (11 de setembro) os alunos da UNATI/UEM e pesquisadores do Observatório das Metrópoles Núcleo UEM/Maringá participaram do “Jogo do Direito à Cidade”, que é um instrumento didático desenvolvido pela equipe da Ambiens Sociedade Cooperativa. O objetivo é a sensibilização, capacitação e mobilização dos diversos sujeitos sociais envolvidos nos processos de gestão municipal. O jogo foi elaborado para estimular, de forma lúdica, o debate e a reflexão crítica a respeito do modo de produção do espaço nos municípios brasileiros.
A disciplina está sendo ministrada toda segunda-feira

Nas aulas teóricas e práticas da A Cidade Para a Terceira Idade os seguintes temas serão apresentados: Maringá: a história da cidade para os negócios; Jogo da Cidade: um exercício para compreender como a cidade se desenvolve; Direitos do Idoso e a relação com a cidade; Monitoramento das políticas para os idosos no Legislativo: controle social e comunicação pública; Espaço de participação: análise das atas do Conselho do Idoso; Políticas Públicas e o acesso à cidade para a Terceira Idade; Trilhas Urbanas; Infraestrutura, trânsito e acessibilidade.

As aulas estão sendo ministradas pela equipe de pesquisadores, incluindo a professora e coordenadora do Observatório das Metrópoles Núcleo UEM/Maringá, Ana Lúcia Rodrigues. O plano de estudo está sendo cumprido semanalmente, sendo às segundas-feiras no mês de setembro e as quintas-feiras em outubro, quando está previsto o encerramento da disciplina e a formação da segunda turma.